Arte Paleocristã Arte Islâmica Arte Gótica Arte Bizantina Arte Românica Arte Pré-colombiana Arte Deuterobizantina Arte Gótica       " /> Universitário
Universitário Notícias
Notícias    JOÃO PAULO - NORTE


Gabarito do Livro de Artes - 1º ano Ensino Médio - Professor Felipe

27/06/11 -   F:  Colégio João Paulo - Unidade Norte

    Conteúdos para a prova parcial do segundo trimestre:

Arte Paleocristã Arte Islâmica Arte Gótica
Arte Bizantina Arte Românica Arte Pré-colombiana
Arte Deuterobizantina Arte Gótica  
   


 Gabarito Módulo Verde 

Arte Paleocristã - Pág.56

  1.  A
  2.  A
  3.  “No início da era cristã, a arte apresenta características diferentes da arte desenvolvida no Império Romano. O início do cristianismo foi marcado pela proibição do culto e a consequente perseguição aos seguidores da nova doutrina salvacionista. O enterro dos mártires cristãos ocorria em catacumbas (galerias subterrâneas). Assim, nas paredes e nos tetos dessas galerias foram registradas as primeiras manifestações da arte paleocristã, que também é conhecida como Arte das Catacumbas. Em princípio, essas pinturas se limitavam a representações de símbolos cristãos, como a cruz e a palma, a pomba, simbolizando o Espírito Santo, o peixe, simbolizando Cristo (palavra peixe em grego – ichtus – forma as iniciais da frase “Jesus Cristo de Deus Filho Salvador”), a fênix, representando a Ressureição, entre outros. Mais tarde, começaram a aparecer cenas do Antigo e do Novo Testamento. Essa arte não era desenvolvida por grandes artistas, mas por homens comuns, convertidos à nova religião, o cristianismo. É uma arte pobre pela própria situação de vida dos cristãos (perseguidos pelo Império Romano). A escultura, mais rara que a pintura, aparece em túmulos e sarcófagos, quase sempre em baixo-relevo, também com motivos bíblicos e relatos da vida do morto. [...] Entre as características principais da arte paleocristã, destacam-se a espiritualidade, o simbolismo, a inspiração em temas bíblicos e simplicidade.”
  4.  A basílica é de origem greco-romana, lugar onde o basileu decidia questões judiciais. Com o fim da perseguição aos cristãos, os romanos cederam algumas basílicas para que eles pudessem usar como local para suas celebrações. Estes edifícios de grandes dimensões com 4 a 5 mil m², 3 naves, colunas e 1 porta de entrada eram ornamentados, em seu interior, com mosaicos representando imagens do Antigo e Novo Testamento.

 

Gabarito Módulo Laranja
Arte Bizantina - Pág. 07 e 08 

  1.  B
  2.  A arte bizantina é uma síntese da arte greco-romana e da arte oriental.
  3.  A
  4.  A
  5.  A
  6.  D
  7.  O ponto máximo da arquitetura bizantina foi a construção de igrejas, as quais utilizavam o mármore em abundância. Para ampliar os espaços internos, utilizavam a cúpula e o arco romano e o arco ogival, simultaneamente. Nas superfícies interiores, havia revestimentos de outro ou coloridos, desenhos murais e mosaicos.
  8.  A principal convenção era a lei da frontalidade. A postura rígida dos personagens levava o observador a uma atitude de respeito e veneração. Além da frontalidade outras regras eram seguidas, como a determinação do lugar de cada personagem sagrado na composição e a indicação de como deveriam ser os gestos, as mãos, os pés, as dobras das roupas e os símbolos.
  9.  D


Arte Deutorobizantina - Pág.09

  1.  “Com a crise iconoclasta ocorrida no Império Bizantino, os pintores refugiaram-se nos livros de miniaturas; alguns outros preferiram migrar para o sul da Itália.”
  2.  A arte deuterobizantina iniciou no século IX após a retomanda dos estudos sobre a cultura grega clássica e após a ruptura com a iconoclastia.
  3.  A arte deuterobizantina estendeu-se até o século XIII. Os mosaicos tornaram-se muito caros para serem executados, assim como os grandes mestres dispersaram-se. Encerrou-se com a devastação de Constantinopla.

 

Arte Islâmica - Pág. 14 e 15

  1.  A arte islâmica corresponde à arte orientada pela religião muçulmana e marcada pelo ecletismo, pois, ao mesmo tempo em que incorporou traços culturais dos povos que conquistou, produziu elementos culturais próprios.
  2.  B
  3.  C
  4.  B
  5.  C
  6.  B
  7.  E
  8.  Arabescos constituem um conjunto de motivos geométricos entrelaçados em inscrições, de detalhamento tão complexo que parece não ter início nem fim. Os arabescos estão ligados à arte islâmica, pois foram largamente utilizados na decoração interna das mesquitas.

Arte Românica - Pág.21 à 23

  1.  B
  2.  D
  3.  B
  4.  E
  5.  A estrutura das igrejas românicas assemelha-se às construções dos antigos romanos. Seus aspectos mais significativos são: utilização da abóboda (de berço ou de arestas), dos pilares maciços que a sustentam e das paredes espessas com aberturas estreitas usadas como janelas. São igrejas sólidas que dão a impressão de robustez compacta.
  6.  E
  7.  A escultura românica estava subordinada à arquitetura. Não se faziam estátuas soltas, mas junto a pilares e colunas, obedecendo à “Lei do Marco”: estátuas-colunas, cujas formas, para preencher o espaço que lhes fora reservado, eram distorcidas, perdendo o naturalismo. Além disso, caracterizavam-se pelas formas rudes, pela pobreza na criatividade e pela ausência de movimento.
  8.  A
  9.  A filosofia maior da arte românica foi o Teocentrismo, isto é, Deus como centro do Universo. Entretanto, progressivamente, as Universidades retiraram dos mosteiros a unanimidade cultural, propagando filosofias clássicas, como a de Platão. Nesse momento, vigorou o simbolismo, mostrando as coisas sem se preocupar com a intenção de suas formas.
  10.  a) “Lei do Marco”: estátuas-colunas, cujas formas, para preencher o espaço que lhes fora reservado, eram distorcidas, perdendo o naturalismo. Escultura subordinada à arquitetura.
     b) Afrescos: tipo de pintura onde se prepara a parede com a aplicação de uma camada de cala sobre a superfície. A mesma é coberta por uma camada de gesso fina e lisa, sobre a qual o pintor executa sua obra. O pintor trabalha sobre a argamassa ainda úmida e a pintura se incorpora ao reboco, tornando-se parte integrante dele. A técnica do afresco foi utilizada no interior das igrejas românicas, para fazer as pinturas murais.

 

Arte Gótica - Pág. 30 à 34

  1.  B
  2.  C
  3.  E
  4.  E
  5.  o termo Gótico foi utilizado pelos italianos renascentistas, que consideravam a Idade Média como a idade das trevas, época de bárbaros, e, como para eles os godos eram o povo bárbaro mais conhecido, utilizaram a expressão gótica para designar o que até então chamava-se “Arte Francesa”.
  6.  A Igreja Gótica é alta e espaçosa, utiliza arcos ogivais e possui três portas na fachada. As torres são, geralmente, assimétricas e há predomínio da linha vertical. A intensa iluminação interna PE proporcionada pela grande quantidade de vitrais e, no centro, uma grande rosácea. A Igreja românica, por sua vez, assemelha-se às construções dos antigos romanos. Seus aspectos mais significativos são: utilização da abóboda (de berço ou de arestas), dos pilares maciços que a sustentam e das paredes espessas com aberturas estreitas usadas como janelas. São igrejas sólidas que dão a impressão de robustez compacta.
  7.  D
  8.  D
  9.  A
  10.  E
  11.  A
  12.  A pintura teve papel importante na arte gótica, pois pretendeu transmitir não apenas as cenas tradicionais que marcam a religião, mas a leveza e a pureza da religiosidade, com o nítido objetivo de emocionar o espectador. Caracterizada pelo naturalismo, utilizou principalmente cores claras. Nesse período, destaca-se a utilização de auréolas – arcos dourados pintados ao redor dos personagens sagrados.
  13.  E


Arte Pré-Colombiana - Pág. 40 e 41

  1.  Arte pré-colombiana corresponde à produção cultural dos povos que habitaram a região da atual América Central, do México e do oeste da América do Sul, no período anterior à chegada dos conquistadores espanhóis, no ano de 1492. A arte pré-colombiana é dividida em três épocas: pré-clássico, clássico e pós-clássico.
  2.  Incas, Maias e Astecas.
  3.  B
  4.  B
  5.  C
  6.  A
    a) Astecas: Ao desembarcar no México, em 1519, as tropas espanholas comandadas por Hernan Cortez foram bem recebidas pelos povos nativos. De acordo com uma antiga profecia asteca, o deus Quetzalcóatl – a serpente emplumada – voltaria à Terra. Por isso, a princípio os astecas pensaram que os europeus fossem deuses e os presentearam com ouro.
    Atraídos pelo ouro e outras riquezas, os espanhóis passaram a fazer alianças com os povos dominados pelos astecas a fim de juntar esforços para subjugá-los. Após vários incidentes, que culminaram com a morte do imperado asteca Montezuma, Coretez cercou Tenochtitlán em 1521. Levava consigo sua tropa e milhares de indígenas aliados. Durante mais de dois meses, a população asteca resistiu ao cerco, mas a cidade acabou ocupada e arrasada pelos invasores. Era o fim do império asteca.

    b) Incas (OBS: não será cobrada a destruição dos Maias, TROCAR NO LIVRO POR INCAS.): Os métodos utilizados pelos conquistadores espanhóis foram tão violentos quanto os utilizados anteriormente, na conquista da civilização asteca. Sob comando de Francisco Pizarro, as tropas espanholas chegaram à região do Peru em 1532. Após um confronto em que morreram cerca de 2 mil incas, Pizarro capturou o imperador Atahualpa e o manteve como refém.
    Para negociar sua liberdade, o imperador ofereceu a Pizarro ouro e prata suficientes para encher, até o teto, a sala onde estava confinado, de 7 metros de comprimento por 5 metros de largura. O espanhol aceitou a proposta e recebeu o resgate, mas mandou degolar Atahualpa. O povo inca se rebelou, mas acabou subjugado. Em 1533, a cidade de Cuzco foi conquistada pelos espanhóis.