Curso Pré-Universitário





 
Universidades
  UFRGS
  PUCRS
  UFCSPA
  Instituições Públicas
  Instituições Privadas

 
Vestibular
  Inscrições
  Gabaritos
  Listão
 
Carreiras
  Profissões
  Área Médica
  Direito
  Engenharias
  Intercâmbio

 
Governo
  Enem
  Prouni
  MEC

 
Diversas
  Atualidades
  Ecologia
  Eventos Culturais
  Ciência
  Tecnologia
Notícias EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO

Professores revelam o drama do momento da reprovação

MA - Zero Hora () Imprimir



Há um momento crucial na atividade do professor. É quando limpa os dedos sujos de giz e pega a caneta vermelha para reprovar um aluno. Incompreendidos, por vezes xingados de carrascos, os mestres garantem que a decisão é sofrida.



Em artigo publicado terça-ferira, dia 16/12/08, em Zero Hora, o professor de Inglês Eduardo Jablonski, 39 anos, chamou a atenção para o dilema da reprovação. Afirmou que "é o lado ruim" da profissão, porque dói não aprovar um estudante.

Especialistas avaliam o drama, que antes se imaginava restrito ao aluno e a seus familiares. Professora da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Helena Sporleder Côrtes, observa que o momento da avaliação final é complexo. O educador deve ter a consciência se a reprovação é justa ou não.

— É a primeira questão a responder. Se a reprovação for injusta, ele tem de revisar a decisão. Agora, se for justa, o professor tem de ficar de consciência tranqüila — diz Helena.

A reprovação pode ser benéfica ao aluno, por mais cruel que pareça. Helena lembra que o estudante precisa saber lidar com um eventual fracasso, as frustrações da vida.

— Antes de tudo, é preciso que a reprovação seja justa. O professor precisa ser justo com aqueles alunos que conseguiram êxito. E manter a justiça de não conceder o mesmo mérito aos alunos que não conseguiram — ressalta a professora da PUCRS.

Professores que reprovam se sentem angustiados. Mas Helena pondera que o aluno também é co-participante na sua formação. Se ele faltou à aula, não fez os trabalhos pedidos, não se empenhou e foi mal nas provas, está merecendo a reprovação.

— O mérito da aprovação é da conquista do aluno — reforça.

Nas escolas, professores culpam os novos tempos, a falta de limites e de responsabilidades. Há 30 anos, os estudantes aguardavam a chegada dos mestres na sala de aula, comportados. Hoje, quando o professor chega, encontra alunos pendurados à janela, falando ao celular, conversando ruidosamente. Em alguns casos, precisa pedir atenção para iniciar a aula.

Presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, Fabiani Ortiz Portella, ressalva que a avaliação não deve ocorrer no final do ano, mas quando termina o primeiro semestre. Ela lembra que o adolescente tem ilusão de que o tempo não passa e adiam o esforço para a última hora.

— Com isso, o que acontece? Nós, psicopedagogos e especialistas, recebemos inúmeros pedidos de atendimento, como se pudéssemos fazer uma espécie de milagre na reta final — diz Fabiani.

A psicopedagoga insiste que a observação do aluno seja rotina durante o ano todo. Lembra que as escolas que adotaram o sistema de ciclos não reprovam. Em Porto Alegre, há 47 escolas regulares e quatro especiais que adotaram o ciclo:

— É um assunto polêmico, que merece uma boa discussão.

"Reprovar um aluno me machuca", diz professor

Professor de inglês há uma década, o gaúcho Eduardo Jablonski, 39 anos, vive um dilema que está se agravando. Como avaliar estudantes que não conseguem aprender, estão sempre na faixa próxima à nota zero? Ontem, na seção de artigos de ZH, ele publicou o texto "Dificuldade no aprendizado", que é mais um desabafo de quem não encontra respostas para o fracasso escolar de uma minoria de alunos.

Casado com a também professora Elaine Lauck, Jablonski concedeu entrevista no intervalo de uma das suas inúmeras aulas — leciona em duas faculdades e três cursos de idiomas da Região Metropolitana de Porto Alegre. Confira os principais trechos:

Zero Hora — O que o levou a escrever o artigo expondo o dilema de ter de reprovar alunos com fraco desempenho?

Eduardo Jablonski — Pelo fato de que vários alunos não conseguem evoluir em nada. Entre os meus alunos, 90% têm notas entre 9,5 e 10. São excelentes. Mas 5% podiam receber nota zero. Isso mexe comigo.

ZH — Algum caso de reprovação foi mais traumático?

Jablonski — Houve, sim. Na sexta-feira, corrigi a prova na frente de um aluno. Estava quase tudo errado. No final, tirou nota dois. Ainda pedi para ele refazer a prova, mas ele disse que não adiantaria. Insisti que mostraria os erros, mas ele repetiu que não adiantaria. Então, tive de reprová-lo.

ZH — Como foi esse momento?

Jablonski — Ao reprová-lo, disse para ele: "Cara, me desculpa". Então, ele me respondeu: "Não, não tem problema, eu entendo a situação". E pegou a prova e foi embora. Ele ficou mal. E eu também.

ZH — Esse dilema já vem de mais tempo?

Jablonski — Sim. Fiquei anos me recusando a reprovar alunos. Mas a situação está piorando. O nível da minoria de alunos fracos caiu ainda mais. Paralelamente, o nível dos alunos qualificados aumentou. Esse é o fato positivo.

ZH — O senhor escreveu que reprovar dói. Por que se sente aflito?

Jablonski — Porque não sei o que está acontecendo. Alguns professores não dão importância. Talvez seja pelo fato de barrar o progresso de alguém, isso me machuca. Pode ser mais sentimental do que racional. Não sei.

Por:Nilson Mariano



Digite a palavra-chave para pesquisar no banco de dados de NOTÍCIAS

Palavra-chave:

Universitário MED - Matrículas 2015
Terceirão - Matrículas 2015
Extensivo ENEM - Matrículas 2015
EJA
Escola Técnica
Universitário Concursos
Colégio João Paulo I
Grupos por Disciplina
Editora Alegre Poa
Compartilhar

© Universitário 1995-2014